novembro 2013

Yes, nós temos estilo

O Projeto + B é resultado da parceria entre a Associação Brasileira de Estilistas (ABEST) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX-Brasil). A quinta edição do foto-livro, direcionado aos criadores de moda e design, tem como objetivo criar imagens capazes de traduzir modernidade e essência nacional. Confira um pouco do trabalho da image maker Rose Andrade, coordenadora do projeto.

b-inspirac3a7c3a3o-brasil-verc3a3o-20135-concepc3a7c3a3o-de-imagem-rose-andrade

b-inspirac3a7c3a3o-brasil-verc3a3o-20131-concepc3a7c3a3o-de-imagem-rose-andrade

b-inspirac3a7c3a3o-brasil-verc3a3o-20132-concepc3a7c3a3o-de-imagem-rose-andrade

 

 

 

Guy Bourdin: notável desconhecido

Cores vibrantes, objetos deslumbrantes, medo, violência e sexo. A curiosidade dos olhos infantis que espiam as incógnitas do mundo adulto através do buraco de uma fechadura. Essa sempre será a lente de Guy Louis Banarès, mais conhecido como Guy Bourdin.

bourdin-guy-2003-06-01-a-010-cc3b3pia

O fotógrafo francês, pouco conhecido do grande público se comparado a outros nomes da fotografia de moda, subverteu e influenciou a imagem da propaganda. Nascido em Paris no ano de 1928, recebeu suas primeiras lições de fotografia quando serviu o exército de seu país no Senegal 1948/1949).

fotografia-de-guy-bourdin-2

De volta a sua terra natal, Guy tornou-se pupilo do mestre Man Ray, revolucionário da fotografia. Logo depois, em 1955, Bourdin já borrifava seu surrealismo lúdico e erótico nas páginas da Vogue francesa, com direito a páginas duplas e um contrato que se estenderia até 1987. Também colaborou com outras nacionalidades da mesma publicação e outros títulos editoriais como a Harper’s Bazaar.

guy-bordin-para-vogue-paris-1960

No ano de 1967, Guy Bourdin estreia no mundo das campanhas publicitárias para a marca de sapatos Charles Jourdan. Durante 14 anos de parceria, o fotógrafo construiu uma identidade visual única e atrevida, concorrendo com as avalanches publicitárias da década de 70. A irreverência de suas imagens comerciais se deve a combinação de personificar produtos e simbolizar pessoas.

Guy ainda fez trabalhos publicitários para outras grandes marcas como Chanel, IsseyMiyake, Versace, Gianfranco Ferré e Emanuel Ungaro. Faleceu em 1991, na cidade de Paris, aos 62 anos. Sua obra é uma referência estética constantemente revisada e atualizada quando o assunto é criar um objeto desejo. Alguns exemplos são as criações da Gucci, para o verão 2011; da Givenchy, para o inverno 2012/13 e a polêmica campanha dos perfumes Tom Ford, em 2007.